4 de dez de 2011

Não é tão estranho, mon ami - Daniel Cariello


Não é tão estranho, mon ami


Chéri à Paris investiga o curioso costume dos franceses em dizer que sim dizendo que não. Os brasileiros fazem isso?
Por Daniel Cariello*, em Chéri à Paris
“Ce n’est pas” e sua abreviação “c’est pas” significam “não é” em português. Ou deveriam significar. Só que nem sempre é assim.
– “C’est pas mauvais” literalmente quer dizer “não é ruim” e na verdade significa que é bom.
– “C’est pas si mauvais” literalmente quer dizer “não é tão ruim” e na verdade significa que é muito bom.
– “C’est pas mauvais du tout” quer dizer “não é nada ruim” e é o maior elogio que você pode receber de um francês.
– “C’est pas cher” literalmente quer dizer “não é caro” e na verdade significa que é bem barato.
– “C’est pas terrible” literalmente quer dizer “não é terrível” e na verdade significa que é muito terrível.
– “C’est pas un sauvage” quer dizer “não é um selvagem” e é comumente usado para falar de alguém, vejam só, muito bem educado.
– “C’est pas grave” literalmente quer dizer “não é grave” e na verdade significa que você acabou de fazer algo bem grave.
E aí outro dia eu fui conversar com um amigo sobre essas curiosidades.
– Fernando.
– Pois não?
– Já parou pra pensar nessas expressões? E depois os franceses acham que os brasileiros complicam a língua, invertendo o sentido das palavras.
– Os brasileiros é que invertem? Pois sim…
——–
(*) Daniel Cariello, editor da revista Brazuca, é colaborador regular do Outras Palavras. Escreve a coluna Chéri à Paris, uma crônica semanal que vê a cidade com olhar brasileiro. Os textos publicados entre março de 2008 e março de 2009 podem ser acessados aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário